terça-feira, 7 de setembro de 2010

11 de setembro, 7h55 a 8h15

Os supostos "terroristas" embarcam em vôos saindo de Portland, Washington e Boston. O terrorista que ficou mais conhecido foi o piloto de um dos aviões, Mohammed Atta (o da foto maior), que embarcou no aeroporto de Portland, de onde foram feitos os vídeos. Aí começam as incongruências: os vídeos não servem pra identificar qualquer pessoa que seja, mas o FBI se apressou em dizer que eram Mohammed Atta e Abdulaziz Alomar. Mas Michael Tuohey, que trabalhava no guichê recebendo os tickets, lembra claramente que falou com dois homens árabes que usavam paletó e gravata, mas as câmeras (que ficavam 100 jardas depois do guichê) registraram os dois homens em trajes esporte! A câmera que faria a identificação definitiva, instalada no guichê, de acordo com o FBI estava quebrada há meses, só que o Sr. Michael Tuohey (que trabalhava embaixo da câmera) nunca soube disso até o agente dizer!!


Segundo a ex-namorada de Mohammed Atta, ele era hedonista, cheirava cocaína e freqüentava boates de stripper. Um "disfarce" perfeito para um "religioso fundamentalista islâmico", pronto para se tornar um "instrumento de Allah contra os infiéis", não é?
Segundo o pai de Atta, ele nunca voou nem uma pipa, e se surpreendeu em saber que o filho havia tido aulas de pilotagem: "Minha filha, que é médica, dava a ele remédios antes de cada viagem, para combater os tremores e vômitos que ele sentia ao entrar em um avião".

E não é só isso: apareceram outras "evidências incriminatórias" para o Atta. Um Mitsubishi sedan que Atta teria alugado foi achado no aeroporto de Boston, com lições de vôo em árabe. Bela peça incriminatória, se não fosse o fato de que Atta estava pegando o vôo em Portland para ir a Boston. Por que Atta dirigiria até Boston, deixaria lá um carro contendo evidências incriminatórias de um plano secreto do maior e mais ambicioso atentado da história e voltaria pra Portland um dia antes de pegar um avião de volta pra Boston? E mais: na mala de Atta (que pegou outro vôo para fazer uma conexão em Las Vegas) foram "encontradas" instruções de como proceder no dia do atentado!!! Imagine a situação: fundamentalistas islâmicos tendo de beber, tomar drogas e viver como capitalistas por anos, pra cumprir uma missão suicida altamente secreta, e no dia da execução deixar um papel na MALA (coisa que se revista normalmente na alfândega) com instruções que não serão usadas mais pra nada (afinal, ele vai se matar, certo?).

Isso tudo só com Atta. Mas muitos outros árabes foram incriminados sem razão, e depois ficou descoberto que não eram terroristas (alguns até estão vivos, como Adnan Bukhari e Waleed Al-Shehri e mais sete pessoas) e que foram usadas identidades roubadas. O mais interessante que Atta e outros dois seqüestradores também tiveram seus passaportes roubados em 1999. Não é preciso ser muito gênio pra perceber que queriam incriminar certas pessoas de origem árabe, e particularmente o Mohammed Atta, porque foi através dele que Bin Laden foi incriminado! Não estou dizendo que Atta é inocente - Osama o chamou de Comandante-em-chefe, em um vídeo - mas foram armadas "evidências" para incriminá-lo.

A mentira mais doentia que o FBI inventou foi dizer que encontrou nos destroços do WTC o passaporte de Satam Al Suqami, supostamente um dos terroristas!!! Vocês já olharam a bola de fogo que o avião cheio de combustível fez? Nem se o passaporte fosse de amianto teria escapado! Toda a fuselagem do avião derreteu, as vigas de sustentação do edifício ficaram comprometidas, a maior peça de mobília encontrada nos destroços foi metade de um teclado, mas um simples passaporte sobreviveu de dentro do bolso de um dos terroristas!!! Pra um país que acredita até hoje na "bala mágica" que matou Kennedy, acho até que eles foram razoáveis... Como se não bastasse, eles usaram essa "técnica" novamente no vôo 93, que caiu na Pensilvânia... Acho que deviam fazer a caixa-preta dos aviões do mesmo tipo de papel usado nos passaportes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário